Carnaval

Eu achei que precisava de um tempinho pra escrever sobre o carnaval. Estou no Bonito, a umas 3 horas em ônibus de Recife, um lugar com muita natureza, mato e cachoeiras, que dá certo conhecer (Fica pertinho de Caruaru, a capital do forró). Já passou a primeira semana depois daquela festa, ainda sento no corpo seu passo. Foram 5 dias só, mas muita intensidade. Tudo mundo fala que o carnaval de Olinda é doidera, e eu não conseguia dar magnitude ao que foi. O bom foi ficar fevereiro tudo, então fui olhando como a energia ia acrescentando, cada domingo era ainda mayor a festa. 

No Brasil tudo o carnaval se vive com muits intensidade, muita alegria, mas no Olinda. Olinda é foda. Muita gente, as ruas saturadas, muita gente vendendo comida e cerveja, tudo o hospedagem lotado, muita muita alegria. Eu acho difícil de colocar no situação a imagem. Não parecerá algo tão estranho, mas estando dentro, a gente toma magnitude do que é. É muito, é muito intenso. Eu passei os dias de carnaval durmendo pouco e mal, comendo também mais ou menos, bebendo muita bebida e pouca água. Fazia tempo que não passava assim. 

Tem festa o tempo tudo, desde bem cedo no Olinda é até bem tarde no Recife. Tem muita coisa, muito artista, muito bloco, muita gente se pegando na rua (Coisa repetida demais: “Chupa língua dela”, que da também pra deconstrução mas não é o momento). Não dá pra entender tudo o que está acontecendo ao rededor. Não dá pra saber que elegir. As duas aperturas deram certas. Eu só passei na apertura de Olinda, mas com isso já alcançou. Ali teve a oportunidade de assistir a Alceu Valença, o homem do carnaval. 

Dois eventos característicos são: O galo da madrugada e o Homem dá meia noite. O primeiro acontece sempre no primeiro sábado do carnaval, e desde bem cedo, no Recife antigo. É tão característico que tem o ponte do galo. O outro é o sábado na noite. E um personagem da ‘mitología’ Olindense. Teve a sorte de assitir ao aniversário dele, foi uma festa muito doida e bonita nums quinta. 
Como muitas outras experiências que teve no viagem, acho que e algo que tudo mundo deveria viver alguma vez. Deixo duas dicas assim como recebe no caminho:

  1. Compra uma caixa de camisinhas
  2. Experimenta a axé. Tem cuidado com a segunda garrafa
Anuncios